Parto cesariano: conheça as novas regras para marcar uma cesária

Novas regras para o parto cesariano já estão em vigor

0
742
Quando posso fazer o parto cesariano

Você sabia que existem regras para a marcação do parto cesariano? O Conselho Federal de Medicina, órgão responsável pela fiscalização e normatização da prática médica, aumentou o tempo de gestação para a solicitação de cesariana pela gestante.

Quando marcar o parto cesariano

De acordo com as novas regras, a gestante que quiser solicitar um parto cesariano deve marcar depois da 39ª semana, e não mais na 37ª. Ou seja, a cesariana, a pedido da paciente, só pode ser realizada depois dessa época.

O que motivou a criação da Resolução 2.144 foi a redução do risco para o bebê, visando sua plena formação e segurança no parto.

Mas ainda assim, se a gestante quiser uma data anterior, ela tem essa opção, desde que assine um documento chamado Consentimento Livre e Esclarecido, autorizando o procedimento e confirmando que ela conhece os riscos.

Por que marcar a cesária depois da 39ª semana?

De acordo com o Conselho, o intuito dessa Resolução é uma maior segurança na formação completa do feto, pois nessas duas semanas, entre a 37ª e 39ª semana, é que se desenvolvem com maior desenvoltura o cérebro, os pulmões e o fígado.

 Duas semanas fazem a diferença

O parto cesariano depois da 39ª semana assegura uma menor probabilidade de problemas nos pulmões, cérebro e fígado

De acordo com o Instituto Nacional de Saúde da Criança e Desenvolvimento Humano dos Estados Unidos, essas duas semanas fazem toda a diferença para o bebê, pois antes disso eles não estariam tão preparados para o ambiente externo ao útero.

O parto depois da 39ª semana evita:

  • problemas nos pulmões
  • problemas no fígado
  • problemas no cérebro
  • icterícia
  • hipoglicemia
  • dificuldade ao mamar e outros

Além disso, o bebê tem a possibilidade de ficar menos tempo no hospital, melhorando as condições do útero para o parto, além de diminuir o risco de sangramentos e outros.

Quando o bebê está pronto para nascer

De acordo com o Conselho Federal de Medicina, a gestação a termo se inicia em 39 semanas e termina em 40 semanas e 6 dias. Antes da nova Resolução, o período era compreendido entre 37 e 42 semanas.

Mas várias pesquisas indicaram que havia uma grande quantidade problemas ocorrendo com os recém-nascidos com gestação menor do que 39 semanas por parto cesariano, sendo que eles foram a maioria no ano de 2010.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a taxa de cesarianas deve ser de no máximo 15%, mas no Brasil ela gira em torno de 50 a 55%, podendo chegar a 82% na rede privada.

Exceções

Apesar de muitas mães optarem pelo parto cesariano, a recomendação do Conselho é que seja feito apenas em casos de necessidade, que são a exceção à regra. Quando há necessidade de se adiantar o parto, o médico pode e deve fazer o procedimento.

Quando há risco para a saúde da mãe ou do bebê, pode ser agendado o adiantamento sem necessidade de autorização documentada pela mãe. Veja alguns casos:

  • pré-eclâmpsia
  • placenta prévia
  • trabalho de parto antes de 39 semanas
  • deslocamento da placenta
  • sofrimento fetal
  • doenças cardíacas
  • apresentação córmica ou pélvica em primigesta
  • queda do oxigênio e batimentos cardíacos do feto
  • colo estreito
  • prolapso de cordão
  • Mãe portadora de HIV ou herpes com lesão

Independente da forma com que seu bebê venha ao mundo, é fundamental estar tranquila e bem informada de todos os benefícios e riscos de cada escolha, fazendo com que o momento de vocês seja único e especial.

Acompanhe esse relato de uma parto cesariano em vídeo:

Gostou das dicas? Compartilhe!