Saiba como agir quando o seu filho começa a chorar

É extremamente importante tentar compreender o motivo do choro e apoiar a criança

0
14900

Infelizmente, nos dias de hoje, existem muitos pais que exigem que os seus filhos engulam o choro, por vezes com um grito estridente.

Esses pais não podiam estar mais errados: afinal, a própria ciência reconhece que o choro está associado ao instinto de defesa humano, sendo igualmente um meio de expressar sentimentos: desde dor a alegria, passando por sofrimento.

Os pais têm de compreender que chorar é uma forma de escape para as crianças – aliás, por vezes essa é mesmo a única forma que a criança tem para se expressar.

“os pais têm de compreender que chorar é uma forma de escape para os pequenos”

Essa repressão é o mesmo que tampar uma panela de pressão, ocorrendo, mais tarde ou mais cedo, uma explosão cujos efeitos vão atingir todo mundo.

Tente entender o choro da criança

É importante que os pais saibam que a razão do choro vai muito além de contrariedades do quotidiano, como não querer comer um determinado ingrediente. Tudo se deve a um conjunto de fatores que ocorreram antes: é o caso de uma discussão entre os pais.

Relacionado: 15 dicas para lidar com birras, choramingos e raiva das crianças

Por isso, o melhor é se esforçar por compreender o choro da criança, apoiando-a, sem distraí-la do que está sentindo, utilizando algum brinquedo, por exemplo.

Conforme vão crescendo, os pais também têm de ensinar os pequenos a compreender as suas emoções, aprendendo a distinguir alegria, tristeza ou medo para que eles sejam capazes de comunicar o que estão sentindo através de palavras.

Eis um bom exemplo de um discurso que você deve ter junto de uma criança que está chorando: “Olha, eu sei o que você está sentindo. Quando eu era pequeno, meu pai também me disse que não me dava um brinquedo e eu fiquei assim como você. Com raiva”.

Porém, se o choro for permanente, excessivo e de difícil compreensão, o melhor é consultar um profissional experiente e especializado para um acompanhamento adequado.

Gostou do artigo? Então, compartilhe!