Mãe faz alerta após acidente do filho com aspirador

Inglesa pede solidariedade para mulheres que costumam julgar

0
9617

As coisas aconteceram muito rápido e, quando Jade Bishop percebeu, o pequeno Theo, de 1 ano 4 meses teve uma queimadura de quarto grau, que é considerada gravíssima.

Qualquer pessoa sabe o quanto o acidente de um filho, por menor que seja, pode trazer dor interna e culpa. Com Jane Bishop não foi diferente.

Ela, com certeza, quis estar na pele do filho quando ele colocou a mão embaixo do aspirador e gritou. Amenizar a dor da criança era a única vontade, enquanto ela o levava ao hospital.

Como uma forma de alertar outros pais sobre os riscos daquele segundo de descuido, compartilhou a experiência no Facebook.

Foram 10 mil curtidas e cerca de 3 mil comentários, muitos deles maldosos e que fizeram a mãe sentir-se a responsável pelo incidente infeliz.

Alguns dias passaram até que a culpa fosse amenizada. Entre uma postagem e outra, Jade questiona a falta de apoio que as mulheres encontram em outras mulheres.

Para ela, mais que julgamentos, é preciso colocar-se no lugar de quem enfrenta uma situação dessas. Pessoas comuns e sem algum distúrbio, com certeza, não colocam os filhos em risco porque querem.

Há uma gama de fatos que desencadeiam acidentes

Alertar, na avaliação de Jade, é mais importante que julgar. E, com toda certeza, é mesmo. Os acidentes com crianças estão na rotina com os pais. Nem sempre os pais ou cuidadores têm todo o controle, por isso é preciso atuar na prevenção.

Jade, agora, limpa a casa enquanto o pequeno Theo permanece no cadeirão. É uma forma de manter tudo em ordem, claro, e primar pelo bem estar do filho.

Relacionado: Atenção! Cresce quantidade de acidentes com berço, carrinho e cadeirinhas