Bolsa rota: saiba o que é, as causas e o que fazer quando acontece

0
7002
Background photo created by dashu83 - www.freepik.com

Somente quando se está vivendo uma gestação é possível entender ou se lembrar de quantas preocupações passam pela cabeça da mãe. O medo de ter um parto prematuro é uma delas. Dá para entender essa preocupação já que, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 30 milhões de bebês nascem prematuros no mundo a cada ano. As causas são muitas e, dentre elas, está a bolsa rota. Você sabe o que é esse fenômeno e o que se deve fazer caso aconteça?

Veja também: complicações mais frequentes na gravidez

Bolsa rota o que é?

Enquanto o bebê está se desenvolvendo no ventre da mãe, ele está envolvido por uma membrana mais externa chamada cório e uma mais interna chamada âmnio. Nesta segunda é onde está o líquido amniótico.

Em casos raros ocorre dessa membrana interna se romper, sem a mulher estar em trabalho de parto, e é esse fenômeno que se chama de bolsa rota. A mulher vai saber que houve o rompimento porque o líquido amniótico irá escorrer para fora, semelhante a como ocorre quando realmente está em trabalho de parto.

Quais as causas da bolsa rota prematura?

causas da bolsa rota
People photo created by valeria_aksakova – www.freepik.com

Algumas mulheres têm um útero que não consegue ser tão competente quanto deveria para manter o bebê protegido, podendo abrir-se com mais facilidade. É importante manter as consultas com o obstetra inclusive para verificar a situação ao longo da gestação, reduzindo o risco de que o rompimento ocorra.

Se houver algum indício percebido precocemente, o médico poderá intervir com cuidados especiais. Além desse fator, que é uma causa natural, existem outros que a mulher deve estar atenta, pois dependem da responsabilidade dela em se cuidar para garantir a saúde do bebê.

Infecções vaginais

Os cuidados que a mulher já tinha antes de engravidar, com relação à sua saúde ginecológica, devem ser mantidos e até intensificados durante a gravidez. Muitos casos de infecção vaginal ocorrem por falta de uma higiene adequada das calcinhas, do contato sexual sem preservativo (que ainda é necessário na gestação para proteger de Infecções Sexualmente Transmissíveis) e por causa da imunidade baixa.

Falta de um bom pré-natal

O acompanhamento com o obstetra durante todos os meses da gestação é importante por muitos fatores, entre eles, prevenir problemas inesperados e complicações que possam colocar em risco a vida da mãe e do bebê.

Infelizmente, muitas mulheres não têm acesso ou conhecimento sobre a importância do pré-natal. Para se ter uma ideia, de acordo com dados do Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM), somente no ano de 2016, mais de 1 milhão de gestantes não realizaram o mínimo de 7 consultas ao obstetra. Quantidade esta, recomendada pelo Programa de Pré-Natal do Ministério da Saúde.

O fato é que, quando a mulher realiza essas consultas, ela se prepara para tudo o que pode ocorrer na gestação, consciente do que deve ser feito para prevenir qualquer problema. Ela tomará os cuidados que ajudam a evitar complicações como a bolsa rota ou, ao menos, saberá o que fazer caso aconteça, evitando perder o bebê por falta de conhecimento sobre os riscos.

Traumas e excesso de esforço

A gestante não precisa se privar da maior parte das atividades que já costumava praticar por medo de sofrer algum acidente e acabar com uma bolsa rota prematura. Porém, é necessário ter alguns cuidados extras.

Ela deve evitar levantar excesso de peso, fazer horas de esforço diário ou colocar-se em risco quando está dirigindo ou de carona, por exemplo. Muitos acidentes podem ser evitados apenas sabendo identificar os riscos. Então, antes de realizar qualquer atividade mais intensa ou de segurança duvidosa, pense primeiro no bebê.

Riscos e cuidados

riscos e cuidados com a bolsa rota
Crédito: Pixabay

Por mais que não seja um fenômeno comum, as mulheres precisam estar atentas, pois a bolsa rota traz riscos à saúde do bebê. Porém, somente quando ocorre antes das 34 semanas de gestação.

Bolsa rota depois das 34 semanas

Quando ocorre logo após as 34 semanas, ou seja, já completando os 8 meses, não costuma ser motivo de preocupação porque geralmente a mulher entra em trabalho de parto dentro de 24 horas. Mesmo assim, ela deve ir imediatamente para o hospital para que seja feito o parto induzido ou a cesárea. O bebê irá nascer!

Bolsa rota prematura: antes das 34 semanas

Se acontecer antes de serem completadas as 34 semanas, os cuidados devem ser intensivos. A mulher deve ir para o hospital imediatamente, onde será internada para ficar em observação. Com a perda do líquido amniótico o bebê ficará exposto aos germes da vagina, podendo contrair uma infecção.

Exames de sangue devem ser feitos constantemente até que o bebê esteja fora de risco. Nesse caso, existe a possibilidade de tentar prolongar a gravidez, mas também pode ser mais seguro realizar um parto prematuro. É preciso que os pais estejam preparados para todas as possibilidades.