Ficar sem fazer cocô é normal para o bebê?

É normal e faz parte do desenvolvimento do sistema digestivo

0
9295

O hábito do bebê de fazer cocô assim que se alimenta deve durar até o segundo mês. A partir dessa fase, com o intestino desenvolvido, o padrão de evacuar pode mudar.

Com a mudança, algumas mães podem ficar assustadas com as fraldas limpas o tempo todo. Não é preciso ficar em pânico, isso é normal.

É claro que, como o organismo está em mudança, até o padrão do cocô pode assustar um pouco. Por exemplo, preste atenção se o bebê demonstra irritação e dor na hora de evacuar.

A mudança na aparência das fezes também é um dado importante. Quando estão escurecidas e endurecidas, causam mesmo dor e desconforto.

Para ajudar o bebê, é possível fazer massagens em movimentos circulares e aquela ginástica que simula o andar de bicicleta.

Há diferença entre a fórmula e o leite materno. A recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) de oferecer leite materno exclusivamente e por livre demanda até os seis meses também considera esse ponto.

Relacionado:Cocô do bebê muda conforme a fase, compreenda

O leite materno oferece menor risco de constipação, quando comparado com a fórmula. Além disso, contém probióticos, que têm o efeito semelhante ao da fibra alimentar solúvel.

O leite materno estimula o crescimento de bactérias protetoras e protege contra doenças

Se o bebê mama exclusivamente no peito e demora alguns dias para fazer cocô, não há motivo para preocupação.

Agora, se ele é alimentado com a fórmula, é preciso procurar o pediatra. O médico também deve orientar qual deve ser a fórmula oferecida para a criança, conforme suas necessidades.

E como fazer quando for introduzir novos alimentos?

É importante manter o aleitamento materno mesmo depois dos seis meses de idade. A introdução de novos alimentos também deve ser orientada pelo pediatra.

Frutas e hortaliças contêm fibras para estimular o funcionamento intestinal. Alguns produtos contêm sorbitol, que é um laxante natural, como a pera e ameixa.

Importante: essa matéria não deve substituir uma consulta ao médico!