8 conselhos para quem vai ser avó

Como ajudar no cuidado com o neto

0
986

Os avós participam cada vez mais dos cuidados dos netos. Muitas vezes, essa garantia de cuidado é norma para o funcionamento das famílias.

Durante a rotina de cuidados, pode haver uma ou outra discordância com os pais dos bebês e a justificativa é a diferença de gerações.

A defesa da avó é que, se ela é uma avó, também já cuidou de um filho e, na cabeça dela, tudo correu bem

Para os pais do novo bebê, as atualizações são necessárias para aumentar o apego e garantir a segurança dos pequenos.

1. A posição para dormir

O bebê deve dormir de barriga para cima. Vários episódios de morte súbita de bebês leram os médicos a indicar essa posição como a mais segura até o fim do primeiro semestre.

Ao deitar de barriga para cima, o bebê vira a cabecinha de lado, o que facilita expelir algo que esteja na boca. Nessa posição, os restos de alimento não descem pela garganta.

2. Amamentação

A amamentação exclusiva por até seis meses e por livre demanda (toda hora que o bebê solicita) é a melhor forma de garantira a saúde e o desenvolvimento físico e cognitivo do bebê.

Essa é a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) e da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Isso quer dizer que não existe leite fraco ou insuficiente. Amamentar também pode ser ensinado e hospitais têm bancos de leite que apoiam o ensino desse ato.

3. Alimentação sólida

Até os seis meses, o leite supria todas as necessidades do bebê. Ele era usado no lugar do chazinho, da água e da fórmula. Tudo vinha na mesma embalagem.

Após os seis meses, entram os sucos e papinhas. Os avós devem seguir a dieta prescrita pelo pediatra. Nem todos os bebês são iguais e colocar em risco a criança não vale a prova de nenhuma teoria.

4. Alimentos liberados conforme a idade

Mel só a partir de 1 ano e chocolate após os 2 anos. Esses são exemplos da atenção à alimentação do bebê.

O argumento que começa com o termo “antigamente” não pode ser considerado porque esses alimentos geram alergias e perigos que, certamente, avó nenhuma quer para o neto.

Leite de vaca não pode

Só vai poder a partir dos 2 anos e deve ser o leite integral. Antes disso, o leite de vaca oferece perigos ao bebê e pode levar a alergias.

Suas proteínas são complexas, difíceis de quebrar e podem sobrecarregar o sistema digestivo.

5. Medicamentos

Crianças continuam adoecendo, como era no tempo das avós. E, como acontecia antes, os medicamentos só podem ser oferecidos com recomendação médica.

Dar qualquer remédio sem receita médica pode ser um risco para o bebê.

6. O talco não é recomendado

O talco é desaconselhado porque contém partículas muito finas que podem se aspiradas e ir direto para o pulmão do bebê.

Há casos em que as partículas podem, até, provocar a morte da criança. Por esse motivo, o uso de talco não é considerado seguro.

Para evitar e tratar as assaduras do bebê há pomadas específicas, feitas à base de óxido de zinco.

7. O andador foi desaconselhado

Antes um equipamento indispensável, o andador foi desaconselhado por pediatras. Isso acontece porque, além dos acidentes, o andador também impede o fortalecimento adequado dos músculos, tendões e nervos do bebê.

8. Cadeirinha de carro virou item obrigatório

A lei brasileira determina o uso da cadeirinha no carro para garantir a segurança do bebê para o caso de acidentes de automóveis.

A cadeirinha é projetada para ficar na parte traseira do veículo, atada com o cinto de segurança. Ela também tem um cinto específico para o bebê.

Relacionado: Ser mãe e trabalhar, a realidade da maioria das mulheres