As 18 doenças mais temidas por toda a mulher grávida

A gravidez é uma bênção e um dos momentos mais ansiado pela maioria das mulheres. Razão pela qual as grávidas ficam muito mais atentas à sua saúde! E com toda a razão! Nessa fase de suas vidas, as gestantes se encontram mais debilitadas, e por isso mais propensas a desenvolver certas doenças que podem colocar sua gravidez em risco.

Publicidade

O período mais incerto ocorre durante o primeiro trimestre de gravidez. Durante esses primeiros três meses, o feto está bem mais indefeso, e as chances de vir a contrair algum problema são maiores. É por essa razão que muitas mulheres optam por guardar o grande acontecimento em segredo nessa fase inicial. Passado esse tempo o feto já se encontra menos vulnerável, mas isso não o torna imune a doença.

Vacinar e examinar para prevenir

Geralmente, a gestante só contrai infeções pelas quais não terá passado antes. Daí que a vacinação seja tão importante! Os exames de sangue são o método mais seguro para determinar que doenças foram ou não contraídas, para que as terapias de prevenção sejam postas em prática.

Está esperando um bebê? Não facilite! A prevenção é fundamental, e por isso é que é necessário que seja acompanhada por um médico desde o início da gravidez. Realize o pré-natal, que além de atuar na prevenção de inúmeras doenças, tem revelado ótimos efeitos na redução das taxas de mortalidade.

As 18 doenças mais temidas por toda a mulher grávida

1. Infeções urinárias

As infeções mais comuns durante a gestação são a cistite e a candidíase, ambas mais perigosas durante o primeiro e último trimestre. Nessa fase final da gravidez, pode até provocar parto prematuro. Se o médico responsável entender, poderá prescrever um remédio para o tratamento.

Publicidade

2. Diabetes gestacional

É o nome dado a um aumento repentino de glicose na corrente sanguínea, durante o período de gestação. Acontece porque o pâncreas não está conseguindo produzir a insulina necessária para manter os níveis estáveis.

O bebê está livre de perigo! Mas convém que a mãe seja monitorada ao longo da vida, porque isso pode indicar uma propensão para vir a desenvolver ouro tipo de diabetes.

3. Sífilis

A sífilis é das doenças que é mais facilmente transmitida ao feto. Aborto e óbito fetal são os cenários mais dramáticos. A mulher pode ser tratada com penicilina.

Publicidade

4. Anemia

É uma condição muito comum e fácil de controlar. O primeiro passo para evitar a anemia, deve partir da gestante. Uma alimentação regrada, rica em alimentos com ferro, é fundamental. Se achar necessário, o obstetra pode sempre recomendar a toma de vitaminas.

5. Sarampo

O parto prematuro ou o aborto espontâneo são as consequências mais prováveis. Está vacinada? Então não correrá perigo. Caso contrário, corre ainda o risco de contrair uma evolução pulmonar crônica.

6. Herpes genital e Varicela

Nem a mãe, nem o feto, nem o bebê acabado de nascer estão imunes às consequências dessas doenças. Catarata, subdesenvolvimento dos tecidos e órgãos, microcefalia e defeitos ósseos são algum dos problemas que compõem esse cenário de terror. Isso no caso da varicela congênita, que ocorre com mais frequência quando a mulher fica com varicela durante as 20 primeiras semanas de gestação.

Publicidade

Se a infecção surgir um mês antes da data prevista para o parto, é recomendado que se avance para parto cesáreo. Assim o bebê correrá menos riscos de vir a contrair a doença.

7. Rubéola

Quando a mãe contrai essa doença durante a gestação pouco tem a fazer. Ela deve ser monitorada, tal como o feto, para tentar detectar a tempo a presença de malformações.

Os riscos para o bebê não são poucos. Cegueira, microcefalia, problemas cardíacos e surdez são os mais temidos pelos pais.

Publicidade

8. Gengivite

Durante o período de gestação a mulher fica mais suscetível a desenvolver um batalhão de problemas. O seu organismo está mais débil, porque trabalha por e para dois. Além do mais, todas as alterações hormonais deixam suas defesas internas meio que destrambelhadas!

E de que jeito é que a gengivite pode afetar o feto? Simples, todas as infeções podem passar para o bebê. Mas, mesmo que não seja o caso, pode levar a que o parto aconteça prematuramente.

9. Vaginose

O principal sintoma dessa condição é um odor forte e um corrimento. Não se trata de uma DST, mas sim de um problema virológico que causa distúrbios na flora vaginal. O fato do sistema imunológico da mulher estar mais comprometido pode fazer com que até um pouco de estresse desencadeie essa situação.

Publicidade

10. Citomegalovírus

Como um dos principais veículos desse vírus é o sangue, os bebês são muito suscetíveis a serem contagiados pela mãe. Os antivirais costumam dar conta do recado. Por via das dúvidas, evite carne crua e tenha muito cuidado com a limpeza de frutas, legumes e verduras.

11. Toxoplasmose

O terror de toda a mulher grávida! Uma infecção por protozoários que pode deixar o feto com sequelas severas. A gravidade é tal que pode casuar o óbito do feto. As mulheres grávidas, por prevenção, não devem comer carnes mal cozidas e evitar a exposição às fezes gatos. Se tiver gatos de estimação, delegue a limpeza da caixa de areia para outra pessoa!

12. HIV

Dependendo da carga viral, a mãe poderá ser optar pelo parto natural, sem que isso ponha em risco a saúde do bebê.

Publicidade

Ao nascer, a criança é lavada, de forma a diminuir a exposição ao sangue contaminado, e é medicada, para evitar que o vírus seja transmitido. A amamentação está fora de questão, porque o vírus também se encontra no leite materno.

13. Hepatite B

Você sabia que quando esse vírus está presente no corpo da mulher, a criança tem 50% de chance de pegar? Não é uma estatística propriamente animadora, e é por esse motivo que um bom acompanhamento médico é determinante, para que o feto se forme em segurança.

Fora do útero, o bebê deverá ser vacinado assim que possível. Antes disso, deverá receber imunoglobulina. Desse jeito, pode até tomar o leite materno, sem correr risco de contrair a doença.

Publicidade

14. Hepatite C

O grande problema dessa doença é que evolui rapidamente para cirrose ou hepatite crônica. Um bebê acabado de nascer também pode ser contagiado. É por isso que, numa situação dessas, a mãe não vai poder amamentar.

15. Doenças Sexualmente Transmissíveis

No top das doenças mais frequentes das mulheres grávidas, as DSTs ocupam um lugar no pódio. Antibióticos e antivirais são as estratégias mais recomendadas pelos profissionais de saúde.

16. Pneumonia

Você sabia que essa é considerada uma das doenças mais perigosas, quer para para a mãe, quer para a criança? A pneumonia é uma complicação muito difícil de tratar, imagine durante a gravidez! Ainda para mais, durante a gestação, uma simples gripe tem mais chances de evoluir para pneumonia.

Publicidade

17. Chikungunya

Mais um vírus transmitido por essas criaturas minúsculas mas verdadeiramente monstruosas, os mosquitos. Que o digam as gestantes, em permanente alerta perante as consequências de uma simples picadinha.

Embora no início da gravidez o panorama seja um pouco mais alarmante, e se contem alguns casos de abortos espontâneos, passada essa fase o impacto parece ser nulo. Isso significa que a mãe pode estar tranquila? Não, nada disso. A gestante terá de ser vigiada, tal como o bebê após o nascimento, para evitar o desenvolvimento de algumas complicações, como infecção.

18. Zika

Nos últimos anos, o vírus Zika virou o pior pesadelo para futuros pais. Principalmente porque nem as equipes de cientistas brilhantes foram capazes de encontrar solução. Ainda não tem como saber de que forma é que esse vírus atua. Porém, a hipótese de o bebê poder vir a desenvolver microcefalia é simplesmente assustadora.

Publicidade

Como é que esse vírus é transmitido? Exatamente do mesmo jeito que o dengue, através da picada de mosquito. No caso do cidadão comum, o impacto é até menor e os sintomas são bem mais suaves. O caso muda de figura nos casos das gestantes, comprometendo severamente a saúde do feto.

Essa matéria é do seu interesse? Assista a esse vídeo!

Publicidade

Compartilhe! A informação é a melhor forma de prevenção.