Estimular a generosidade nas crianças é possível

Atos simples, como o de compartilhar a comida e brinquedos, fazem a diferença

0
5825

Quase todas as pessoas já pararam para refletir um dia sobre a possibilidade de haver um mundo melhor, mais equânime e sem tantas injustiças.

Para que isso ocorra, muitas ações devem ser colocadas em prática e há um sentimento que pode ser a chave de tudo, a generosidade.

Esse comportamento, claro, pode ser ensinado. A generosidade está ligada às atitudes do cotidiano e deve ser um ato de rotina. Uma das formas de estimular essa prática é utilizar a capacidade que o ser humano tem de adaptação.

É comprovado que o ser humano tem múltiplas habilidades, como a de falar uma grande quantidade de idiomas, podendo chegar a 15. Também pode tocar instrumentos e consegue se adaptar a qualquer lugar no planeta.

Tudo depende de estímulo, ensinar a conviver e, a partir disto, criar e aproveitar as oportunidades.

Quando se trata de criar pessoas mais generosas, o exemplo é o principal instrumento. Os filhos observam como os pais lidam com o outro e repetem esse comportamento. É como o idioma que as pessoas aprendem porque convivem com quem os ensina.

A generosidade é imitação e, como os adultos sabem onde está, cabe a eles estimular e colocar no cotidiano

Além da partilha, a generosidade também é a empatia, o respeito e o comportamento diante de perdas e êxitos.

Um bom termômetro para saber se está ensinando corretamente os filhos é agir de uma forma e cobrar deles atitudes diferentes diante da mesma situação. Nesse campo, o que vale é a prática e não as palavras.

A fase exclusivista e egoísta dos pequenos é normal quando estão se colocando diante do mundo. É natural não querer compartilhar um brinquedo ou um alimento. Ao abordar isso, os pais devem ser o mais naturais possível, apontando que a partilha é simples e não precisa estar envolta em tensões.

A solidariedade não precisa ser forçada e a chance de ensinar sobre ela sempre vai aparecer. Em resumo, a generosidade é ensinada, pode ser assimilada e depende de um reforço positivo sobre o cotidiano.

Relacionado: Menina ganha abraços e beijinhos ao exibir prótese de perna em escola