Gravidez tubária: saiba o que é e por que acontece

0
239
gravidez tubária
Crédito: Freepik

Embora prover gestações seja a função do sistema reprodutor feminino, existem diversos motivos para que uma gravidez não ocorra conforme o esperado. Problemas hormonais, disfunções nos órgãos, maus hábitos de saúde e doenças no aparelho reprodutor estão entre as principais causas. Um dos tipos de gravidez que não vinga é chamado de gravidez ectópica, também conhecida por gravidez tubária. Saiba mais sobre ela agora.

Gravidez ectópica o que é?

A gravidez ectópica ou tubária é caracterizada pela implantação do óvulo fecundado fora do útero. Ou seja, ocorre a fecundação do espermatozoide no óvulo, mas quando o embrião está a caminho do útero, passando pela trompa de falópio, ele para e se instala nela. De acordo com os especialistas, em mais de 90% dos casos esse tipo de gravidez ocorre nas trompas, mas também existem casos em que o embrião se implanta na cavidade abdominal, do ovário ou no colo do útero.

Em todos os casos uma gestação desse tipo não pode ser levada adiante porque o embrião não sobrevive. Se ele começa a se desenvolver fora do útero, também há o risco de destruir as estruturas da mulher, podendo causar hemorragia, infertilidade e até mesmo levar a óbito.

Causas da gravidez tubária

A causa mais comum para a gravidez ectópica é algum dano na trompa de falópio. Então, quando o embrião tenta passar por ela, fica “trancado”, não conseguindo prosseguir seu caminho até o útero. Os principais fatores desses danos nas trompas são:

  • Tabagismo;
  • Doença inflamatória pélvica que pode ser causada por infecções sexualmente transmissíveis;
  • Inflamações ou cicatrizes decorrentes de cirurgia anterior;
  • Gravidez ectópica anterior na trompa;
  • Defeitos congênitos no sistema reprodutor na mulher;
  • Fatores hormonais;
  • Problemas de fertilidade;
  • Gestação tardia;
  • Abortos anteriores;
  • Uso inadequado de DIU;
  • Casos raros de gravidez após laqueadura.

Gravidez ectópica sintomas

sintomas de gravidez tubária
Crédito: Freepik

Quanto aos sintomas da gravidez tubária, são duas fases, pois ela começa como uma gravidez normal, então irá apresentar sintomas como tal. Depois virão os sintomas apontando que há algo errado com a gestação.

Sintomas iniciais de gravidez

A princípio, assim como nas gestações normais, a mulher perceberá a interrupção da menstruação, enjoos, sensibilidade nos seios e na região pélvica, aumento da vontade de fazer xixi e da sede, aumento do apetite, da salivação, do sono, prisão de ventre e transpiração. Não quer dizer que todas as gestantes tenham todos esses sintomas, mas são os possíveis de ocorrer.

Sintomas iniciais da gravidez tubária

De seis a oito semanas mais tarde, após a ausência da menstruação, como o embrião não conseguiu chegar ao seu destino que é dentro do útero, a mulher poderá ter uma leve hemorragia vaginal, dor abdominal ou pélvica que é mais forte do que o desconforto comum.

Sintomas avançados

Caso a mulher não procure seu ginecologista, pensando que está tudo bem, o embrião começará a se desenvolver no local onde ficou implantado, causando dor de barriga e na pélvis, podendo começar bruscamente  de um lado e se espalhar por toda a região. Também poderá ter mais sangramento, dor na relação sexual, tonturas, desmaio e dor no ombro causada pela hemorragia que irrita o diafragma.

Como diagnosticar e tratar?

Naturalmente, com tantos sintomas de que algo está errado em seu corpo, a mulher irá procurar seu médico. Então ele poderá fazer uma série de exames, tanto no consultório quando de sangue e de imagem, para diagnosticar a gravidez tubária.

Nesse caso, o tratamento deve ser imediato para prevenir que haja ruptura dos tecidos e hemorragias. O tipo de tratamento é definido pelo médico, de acordo com a situação. Caso não haja hemorragia existem medicamentos ou cirurgia para interromper a gravidez, já que não há como salvar o feto.

Mesmo depois de tratar a mulher precisa ser acompanhada pelo médico para saber se o seu organismo está conseguindo voltar ao normal. Se a mulher tiver um aborto espontâneo pode ser que não precise de tratamentos, apenas a observação médica para saber se está tudo bem. Já no caso de a mulher apresentar sintomas graves e não abortar de forma espontânea, uma cirurgia de emergência deve ser realizada.

A mulher consegue engravidar depois?

é possível engravidar após uma gravidez tubária
Crédito: Freepik

Sim, em muitos casos, quando essa gravidez ectópica não deixou danos permanentes, a mulher consegue engravidar sem problemas um tempo mais tarde. Apenas é recomendado aguardar o tempo determinado pelo médico para que o organismo se recupere por completo.

Entretanto, como cada organismo é único, há mulheres que ficam com sequelas que podem até nem estarem diretamente ligadas à gravidez tubária, e terem maior dificuldade de engravidar mais tarde.

Os médicos informam também que, em casos de obstrução permanente das trompas, ainda existe a possibilidade de realizar a fertilização in vitro na qual o óvulo é fecundado em laboratório e o embrião é implantado diretamente dentro do útero, não precisando passar pelas trompas.

Cada caso deve ser avaliado pelo médico para que seja feito o tratamento adequado e propiciar o ambiente saudável para uma nova tentativa de gravidez.