Incontinência urinária noturna: causas e como tratar

0
3423
incontinência urinária noturna
Crédito: Freepik

A enurese noturna, ou o famoso xixi na cama, é comum entre as crianças, principalmente no período do desfralde. Entretanto, é necessário que ocorra ao menos três vezes por semana para que a incontinência urinária noturna seja preocupante.

Além disso, deve ocorrer em crianças acima dos 5 anos e que não tenham diagnosticado nenhuma doença que leve a tal. Ela afeta 15% das crianças de 5 anos, 7% com 10 anos e 3% com 12 anos ou mais. Pode ocorrer depois disso, porém é mais raro, sendo mais comum em meninos.

Ela é classificada de duas formas, a depender do período em que ocorrem os episódios de escape de urina. A enurese noturna primária ocorre quando a criança nunca teve muito controle sobre o escape de urina, antes dos 5 anos, se mantendo depois disso.

Já a enurese noturna secundária começa depois dos 5 anos, sem terem acontecido episódios antes dessa fase. É como se ela voltasse, do nada, a fazer xixi na cama, mesmo depois de anos sem fazer isso. Essa forma de enurese noturna está mais relacionada ao lado psicológico do que físico.

Causas da incontinência urinária noturna

incontinência urinária noturna causas
Crédito: Freepik

A incontinência em crianças é causada principalmente por motivos físicos e não psicológicos, como sempre se pensou. Veja quais são as principais causas.

Controle dos esfíncteres

Algumas crianças levam mais tempo para conseguir ter o controle total dos esfíncteres, fazendo com que ocorram incidentes mais frequentes durante a noite. Uma das causas pode ser o retardo na maturação neurológica referente a eles.

Hormonal

Uma baixa quantidade de vasopressina (hormônio antidiurético que evita os escapes noturnos) pode também influenciar. Sua ausência faz com que a quantidade de urina seja maior do que a suportada na bexiga.

Sono pesado

É fato que a bexiga da criança enche mais rapidamente, precisando ir mais vezes ao banheiro, inclusive à noite. Porém, se ela tiver o sono pesado demais, pode ser que não desperte a tempo de ir ao banheiro para urinar.

Hereditariedade

O fator hereditário é marcante quando se trata da incontinência urinária noturna. As chances de que ela desenvolva a condição é normalmente de 40%, quando um dos pais apresentou o mesmo. Já se ambos os pais tiveram, a chance é de 80%.

Diabetes

Crianças com diabetes tendem a fazer xixi na cama à noite, pois a sua bexiga se enche muito mais rápido do que em outras que não têm a doença. Por isso, é também um indício para que se fique atento aos sintomas de forma ampla.

Prisão de ventre

Quando a criança sofre com prisão de ventre severa, ficando até dias sem ir ao banheiro, a região abdominal é pressionada, o que inclui a bexiga. Essa pressão pode fazer com que ela não segure o xixi e ocorram fugas de urina durante a noite.

Psicológica

Por mais que seja em menor número, existe também a causa psicológica para os escapes noturnos. Alguns gatilhos são os mais comuns, como a chagada de um irmão, bullying na escola, brigas entre os pais e outros. Crianças com hiperatividade são mais propensas a molhar a cama à noite também.

Como tratar

O tratamento vai depender da causa, devendo sempre ser orientado por um médico de confiança e nunca de forma amadora, com os pais em casa. Isso pode não somente ter resultados de baixa autoconfiança, como pode encobrir doenças como diabetes.

Normalmente o tratamento é feito de forma holística, buscando reduzir a quantidade de líquidos que a criança ingere à noite e aumentar durante o dia, para ensinar ao corpo quando a bexiga está cheia e deve avisar.

Os alimentos mais ácidos também podem ser reduzidos, para evitar irritações no trato gastrointestinal e na bexiga, fazendo com que intestino e aparelho urinário funcionem normalmente.

Nada de criticar a criança quando o xixi acontecer; ela não tem controle sobre isso. Ao invés disso, elogie nos dias em que a cama amanhecer sequinha. É muito mais eficaz e ainda mais humano.

Claro que em casos mais sérios sempre há a opção de dar medicamentos, mas essa é uma hipótese que só pode ser levantada pelo médico que acompanha a criança. No caso de estresse psicológico, um bom profissional na área é realmente importante.