Pai de bebê que faleceu dentro de carro fechado é preso

Esquecido no carro, o pequeno Cooper não resistiu. Conheça os detalhes

0
1772

Muitas vezes a rotina acaba sufocando muitas mães e pais, que acabam entrando no modo automático e cometendo falhas graves, como por exemplo, esquecer o filho no carro. Felizmente, são poucos os casos e normalmente acontecem por cansaço ou pressa.

Mas e quando há provas de que não foi tão esquecimento assim?

Pai é preso por deixar bebê em carro

Foi o que decidiram os juízes da Georgia, nos Estados Unidos, levando à prisão perpétua o pai do pequeno Cooper, de apenas 22 meses.

Justin Harris de 36 anos não pode nem mesmo ter a pena reduzida, pois de acordo com as provas apresentadas, o bebê não foi simplesmente esquecido no carro, e sim deixado lá para morrer.

Entenda o caso

No dia 18 de junho de 2014, Justin deixou o filho dentro do carro, no estacionamento do trabalho, por cerca de 7 horas. A temperatura no dia estava em torno de 30°C! Ele afirma ter esquecido de deixar o filho na creche.

Ao sair do escritório, ele entrou no carro e começou a dirigir até o cinema, quando se deu conta de que o filho estava lá, falecido.

De acordo com o depoimento, ele encostou o carro e tentou reanimar o bebê, mas ele já tinha falecido

Testemunhas afirmaram que o pai ficou fora de controle, ligou para o serviço de emergência aos gritos, desesperado. De acordo com os advogados de defesa, ele havia sofrido de esquecimento, mas os promotores não pensavam assim.

Provas do crime

De acordo com as provas apresentadas pela promotoria, antes da morte do pequeno Cooper, o pai pesquisou na internet sobre casos de crianças que morriam dentro de carros por excesso de calor, e ainda fez pesquisas sobre como sobreviver na cadeia.

Encontraram também diversas conversas pornográficas com 6 mulheres diferentes, no mesmo dia em que o bebê faleceu, sendo que haviam menores envolvidas.

A mãe e ex-esposa de Ross testemunharam a seu favor, dizendo que ele era um bom pai e que só podia ser esquecimento. Para os promotores, ele queria se livrar das responsabilidades como pai.

Encerramento do caso

Condenado a prisão perpétua, sem redução da pena, Justin Ross Harris ainda afirma inocência e vai tentar recursos. Mas de acordo com os juízes, ele deixou o bebê intencionalmente durante todo o dia, para que viesse a óbito, caracterizando o crime como homicídio doloso.

Relacionado: Criança cria equipamento para impedir morte de bebês esquecidos em carros

E para você? Foi crime ou esquecimento? Deixe sua opinião sobre o caso!