Pré-adolescência: 3 dicas importantes para lidar com a crise dos 12 anos

0
247
pré-adolescência
Crédito: Freepik

Todas as fases da vida têm suas dores e prazeres, inclusive na infância e na pré-adolescência.

Um adulto não deve diminuir a importância dos desafios dos mais jovens só porque já passou por todos eles e os considera simples em comparação aos problemas da vida adulta.

Se fizer isso, terá dificuldades em lidar com os filhos em fase de crescimento, pois são eles que necessitam de orientação sem julgamento, especialmente quando estão vivendo a crise dos 12 anos. Já ouviu falar dessa fase? Saiba mais agora.

Veja também: tudo sobre a crise dos 2 anos

Pré-adolescência: o que é a crise dos 12 anos?

o que é pré-adolescência
Crédito: Freepik

Por volta dos 12 anos de idade, as crianças passam por uma importante transição. O organismo começa a aumentar a produção de hormônios, pois chegou a fase da puberdade.

Todos os pais já viveram essa fase e, por isso, devem ter sensibilidade, em primeiro lugar, para entender como seus filhos pré-adolescentes estão se sentindo.

O corpo começa a mudar, mas ainda de um jeito meio constrangedor. A mente também muda, pois eles ficam confusos, no meio do caminho entre os gostos infantis e os interesses juvenis. Logo, muitos jovens nessa idade se fecham para os pais e familiares, e é aí que vem a preocupação.

Porém, de acordo com os especialistas, os pais devem compreender que esse “casulo” em que os pré-adolescentes tendem a se colocar é uma forma de conseguirem lidar melhor e aceitar todas as mudanças que estão vivendo.

Por outro lado, eles buscam nos amigos da mesma idade as respostas que, na verdade, só um adulto consciente e de confiança poderia dar. Diante dessa situação, o que os pais podem fazer? Veja a seguir.

Veja também: pais que usam celular demais têm problemas na educação dos filhos

Como lidar com a pré-adolescência dos filhos

como lidar com pré-adolescentes
Crédito: Freepik

Quando se fala em “crise” dos 12 anos, a tendência é relacionar a um problema; algo difícil de lidar. Mas na verdade quer dizer que é um período de desafios que pode ser vivido com tranquilidade, se o pré-adolescente for guiado da forma correta pelos pais.

Essa forma é pautada em respeito mútuo, em diálogos compreensivos, em orientações inteligentes e no amor sem julgamento. É dessa forma que os pais podem conseguir que seus filhos falem com eles com a mesma confiança que sentem ao falar com os amigos da mesma idade.

Aliás, se quiserem, os pais têm o poder de se moldarem ao comportamento que o filho espera deles: eles podem ser adolescentes no jeito de ouvir e julgar, e adultos no jeito de guiar pelo caminho certo. Sendo assim, veja dicas de como lidar com os pré-adolescentes em casa.

Veja também: a importância da música na educação dos filhos

1. Respeitar o espaço é essencial na pré-adolescência

Como já mencionado, os jovens que começam a passar pela puberdade percebem grandes mudanças no corpo e no jeito de pensar e ver o mundo. O aumento da produção hormonal desperta desejos, medos e curiosidades.

Eles precisam ficar sozinhos quando sentem essa necessidade. Então, os pais devem começar a permitir que a porta do quarto fique fechada. Devem bater antes de entrar e perguntar antes de decidir as coisas por eles.

2. Ser franco para conquistar a confiança

Os adolescentes estão sempre preparados para bloquear o “papo chato” dos pais. Então, se não quiser lidar com olhos revirados e reclamações ao responder uma pergunta ao seu filho, pense antes no que e como vai responder.

Existem maneiras mais agradáveis, além de “não vai e para de teimar”, de dizer que o seu filho não vai poder ir na festinha na casa do amigo na sexta.

Sente-se com ele frente a frente, com toda a tranquilidade, e diga o real motivo de você não permitir. Seja franco na medida: nem o trate como criança, nem como um adulto independente.

Ele precisa sentir que vocês estão juntos nessa fase de mudanças e a sua função é protegê-lo do que ele ainda não sabe que é perigoso ou de ajudá-lo a assumir suas novas responsabilidades.

3. Demonstrar interesse sem ser invasivo

Está nas mãos dos pais manter uma convivência saudável entre todos em casa. Não faz sentido os pais ficarem em silêncio quando os filhos também estão quietos ou, então, brigarem com os filhos porque não estão agindo conforme as expectativas.

São os pais que devem puxar assunto e propor atividades interessantes para guiar os filhos ao comportamento esperado, bom para todos.

Se fizerem isso sempre, será normal, ou seja, os filhos terão o hábito de conversar sobre tudo com os pais, pois sabem que há liberdade em casa para que se expressem do jeito que quiserem, desde que se mantenha o respeito.

Então, nessa fase da pré-adolescência, em que os filhos estão mais calados e isolados, os pais devem ter suas cartas na manga, sabendo que tipo de assunto falar com os filhos para conversar sem nenhuma pretensão.

Os pais devem estar por dentro do universo dos filhos, conhecer seus gostos e falar com eles normalmente, como amigos, deixando de lado o tratamento autoritário.

Contudo, não devem resolver puxar assunto quando o filho está fechado no quarto ou com os fones de ouvido.

O momento de trocar ideia em família é quando se cria uma situação apropriada, por exemplo durante as refeições, quando estão no carro, no supermercado ou quando convida o filho para participar de uma atividade em casa, como dar banho no cachorro, fazer um bolo ou consertar o chuveiro.

Participar sem ser invasivo é a chave. Mas precisa começar desde cedo, ou o quanto antes, para que se torne um hábito.