Você pode prevenir o risco de autismo no seu filho: saiba como!

Descubra que nutriente é essencial para contornar esse problema

0
7251

Um estudo recente comprovou que as gestantes que tomam suplementos de vitamina D podem limitar o risco de autismo nos seus bebês. Este trabalho partiu dos resultados de uma pesquisa anterior que tinha concluído que as grávidas com reduzidos níveis de vitamina D nas 20 semanas de gestação contavam com uma maior probabilidade de ter filhos com traços autistas até aos 6 anos.

Consumo de suplementos com vitamina D previne problemas neurológicos

A investigação foi feita com ratos e demonstrou que as ratas grávidas que ingeriam vitamina D durante o 1º trimestre davam à luz a crias que não tinham traços associados ao autismo, uma evidência do papel crucial desse nutriente no desenvolvimento cerebral. Logo, esses animais não sofriam de déficits na interação social, entre outros sinais de autismo.

“gestantes que tomam suplementos de vitamina D podem limitar o risco de autismo nos bebês”

Além disso, investigações centradas em humanos também têm apresentado uma ligação entre baixos níveis de vitamina D durante a gestação e a elevada probabilidade de ter filhos autistas. Para os pesquisadores, o consumo de suplementos com esse nutriente até poderá ser um novo meio de prevenir problemas neurológicos.

No entanto, só mesmo a forma não ativa de vitamina D (o suplemento Colecalciferol) é que deve ser ingerida pelas gestantes: a forma ativa desse nutriente não pode ser consumida pelas mulheres grávidas, porque pode afetar o esqueleto do feto em desenvolvimento.

“Estamos preparando uma nova investigação para determinar quanto Colecalciferol é necessário para atingir os mesmos níveis da forma ativa da vitamina D na corrente sanguínea. Desse modo, vamos conseguir investigar como o suplemento deve ser consumido pela população gestante”, explica um dos autores do estudo, Dr. Wei Luan.

Relacionado: Ácido fólico em grandes quantidades na gestação eleva risco de autismo

Conheça outras vantagens da vitamina D através desse vídeo:

Fonte: Molecular Autism 

Achou essa matéria interessante? Então, compartilhe!