Saiba como prevenir malformações e garantir a saúde do bebê

Há práticas e situações que podem prejudicar o desenvolvimento do feto, veja como evitar

0
16637

O desenvolvimento de um feto é um processo de extrema delicadeza e há várias situações que podem prejudicá-lo. Além das questões genéticas dos pais, há práticas externas que, infelizmente, podem resultar em má-formação.

Dispensar alguns cuidados ainda é a melhor maneira de prevenir o problema. Veja como garantir o desenvolvimento saudável do feto.

Prevenção

1 – Ficar longe das drogas e álcool;

2 – Evitar a ingestão de alimentos crus;

3 – Não tomar medicamentos sem conhecimento médico;

4- Manter uma dieta saudável;

Relacionado: Causas pouco conhecidas da malformação de bebês.

Álcool na gestação

A ingestão de álcool aumenta o risco de nascimento de bebês com deficiência mental. O abuso de álcool durante a gestação está ligado à problemas na formação dos órgãos internos e problemas de visão.

Ácido fólico

Uma dieta saudável é a garantia de oferta de todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento de um bebê.

Essa prática já deve ser inserida mesmo antes da gravidez, mas nem todos conseguem, por várias razões.

É por isso que ocorre um processo denominado suplementação de vitaminas, que consiste na oferta dos nutrientes que estão em falta no organismo.

Para a formação deles, um dos principais é o ácido fólico, encontrado em verduras, carnes e castanhas.

O ácido fólico ajuda a prevenir erros do desenvolvimento, como a espinha bífida e o lábio leporino

A suplementação de ácido fólico deve ocorrer antes da gestação. Quando isso não acontece, é feita assim que a mulher descobre que está grávida.

Relacionado: Ácido fólico em grandes quantidades durante a gestação eleva risco de autismo

Catapora

A catapora também pode causar uma série de danos no desenvolvimento do feto. Entre os problemas ligados à doença está a Síndrome da Catapora Congênita, que pode provocar aborto, malformação dos membros superiores e inferiores, danos neurológicos e encefalite.

Para evitar o problema é preciso fazer a vacinação antes da gestação. Se houver contato com doentes, o caso deve ser comunicado imediatamente ao médico.

Nesses casos, é oferecida uma injeção de imunoglobulina à mãe para evitar danos no desenvolvimento do feto.

Citomegalovírus

A perda auditiva a longo prazo é o maior risco oferecido a bebês cujas mães foram expostas ao citomegalovírus.

Dependendo do estágio da doença, pode haver risco de microcefalia, danos no sistema nervoso e subdesenvolvimento de fígado e baço.

O citomegalovírus é um vitus da família do herpes e não há vacinação que previna o contágio. A melhor maneira de evitar a contaminação, que ocorre por via sexual, é usar preservativos e evitar o sexo oral.

Rubéola

A rubéola é responsável por um conjunto de problemas que pode comprometer o desenvolvimento do feto.

Por conta dos riscos, a vacinação é feita antes da gravidez para evitar a exposição dos bebês a riscos de malformações.

Entre os efeitos da rubéola materna no feto estão: comprometimento cardíaco, deficiência auditiva, deficiência visual, microcefalia e encefalite.

As mulheres em idade reprodutiva devem manter a vacinação em dia. A vacina é oferecida gratuitamente nos postos de saúde.

Relacionado: 18 doenças na gravidez que podem prejudicar o bebê

Herpes

As infecções por herpes durante a gestação expõe o feto a possíveis problemas de audição, visão, sistema nervoso central e microcefalia. Conforme o estágio da doença, há risco de aborto.

As lesões por herpes são comuns na boca e genitais. Caso ocorram durante a gestação, o médico deve ser notificado imediatamente.

Uma das principais vias de transmissão do herpes é o contato sexual. Por isso, é importante usar métodos como o preservativo para evitar o contágio. Também é aconselhável evitar o sexo oral como forma de prevenção ao vírus.

Toxoplasmose

A toxoplasmose prejudica o desenvolvimento dos bebês e pode causar graves complicações, como hidrocefalia, microcefalia, limitações na visão e audição. A doença também aumenta o risco de abortos espontâneos.

Entre as formas de transmissão da toxoplasmose está a ingestão de carnes cruas, alimentos que não foram higienizados e o contato com gatos.

É importante fazer o exame para averiguar se houve o contato com o protozoário doença e seguir a rotina estabelecida pelo médico durante o pré-natal. Não existe vacina contra a toxoplasmose.

Zica Vírus

O zica vírus é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti e pelo contato sexual. Essa doença pode causar diversos problemas ao desenvolvimento do feto, como o comprometimento auditivo e de visão.

Entre os principais riscos está a microcefalia, que é o desenvolvimento incompleto da caixa craniana, impedindo o feto de crescer.

As principais formas de prevenção ao zica vírus são evitar o contato com o mosquito e fazer sexo usando preservativo.

Relacionado: Saiba como agir com as picadas de insetos em bebês

Sífilis

A sífilis é uma das doenças mais perigosas para a gestação. É uma doença transmitida sexualmente e pode causar uma série de danos ao desenvolvimento do feto quando ocorre a transmissão vertical (de mãe para filho).

Quando atinge o feto, a sífilis pode causar problemas de desenvolvimento do sistema nervoso, auditivo e ocular. A doença também está ligada a elevado número de abortos espontâneos.

O uso do preservativo é a forma mais segura de evitar a doença. Como a investigação da sífilis integra a rotina do pré-natal, é conveniente que o parceiro da mulher grávida também faça o exame.

Gostou dessa dica? Então compartilhe!