Problemas de coluna nos adultos pode vir desde a infância!

0
2985

Cerca de 70% dos problemas de coluna nos adultos podem ter origem no excesso de peso das mochilas, ainda na infância e adolescência.

Nas escolas brasileiras, desde pequenos, crianças têm que carregar mochilas cada vez mais pesadas, com cadernos e livros para cada matéria estudada no dia. As vezes ainda têm o diário e muitas pastas individuais, com cada vez mais papéis de atividades.

Não bastando, há a lancheira para os menores, ou o próprio lanche, competindo por algum espaço na mochila, já muito cheia – que geralmente resulta em comidas prensadas, na hora do intervalo. Brincadeiras a parte, isso pode fazer muito mal para quem a carrega. Entenda.

Estudo revela que comportamento de pais pode provocar estresse nas crianças

Problemas de coluna nos adultos podem ser causados por execesso de peso na infância

De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), “85% da população mundial adulta sente ou já sentiu dores nas costas e 70% dos problemas de coluna na fase adulta tem como causa o efeito cumulativo do excesso de peso e esforço repetitivo na adolescência”.

Esse é um problema grave, com reflexos na vida adulta. Além disso, reduz a qualidade de vida e a produtividade, impedindo muitas vezes de praticar algum esporte; o que manteria o corpo saudável.

De acordo com o Ministério da saúde, a utilização de mochilas pesadas pode trazer uma série de doenças para o jovem e até para a criança, entre elas a “escoliose, a mais comum nesses casos, acontece pela assimetria nos ombros e vem causando dores nas costas pelo desvio e a sobrecarga muscular”.

Além disso, pode causar também lordose, que é oriunda de um excesso de carga na região lombar; hipercifose, outro nome para um problema cada vez mais comum, a concurdez; hérnia de disco, que é uma inflamação no nervo da coluna, especificamente em uma vértebra, dado o excesso de pressão sobre a mesma.

Mas o que a mochila realmente faz com a coluna da criança? Como ela pode fazer mal, mesmo sendo de ótima qualidade? Entenda melhor nessa ilustração veiculada na cartilha da SBOT.

Crédito:Sociedade Brasileita de Ortopedia e Traumatologia

Como você pode observar, as regiões mais afetadas pelo excesso de peso nas mochilas são o pescoço e a parte superior das costas, os ombros, a parte inferior das costas, o joelho e o quadril. Isso poderia ser evitado, caso a criança colocasse no máximo, 10% do seu peso total.

Se seu filho pesa 60 quilos, a mochila deve pesar, no máximo, 6 quilos.

Porém, o que se observa no vídeo abaixo, é que o peso é geralmente muito superior ao indicado. Como é o caso da estudante que estava levando 20% do seu peso, na mochila. Assista ao vídeo:

O caso é tão grave, que há diversos projetos de lei, buscando amenizar o problema. Como por exemplo, o projeto 3.673/15, que visa estabelecer um limite legal de peso que a escola possa solicitar ao aluno.

Além disso, os cadernos e livros podem passar a contar com papeis de baixa gramatura – mais finos – para aliviar o peso ao final, quando somados todos os materiais. Isso já é uma realidade na França e poderia ser no Brasil, se fosse feito um esforço nesse sentido.

Creche municipal tem ioga e massagem para crianças

Como evitar os problemas de coluna, ainda na infância

Enquanto essa não é a realidade do país, veja como ajustar a mochila, causando menos danos à coluna da criança e do jovem. Apenas dessa forma será possível evitar e/ou contornar os possíveis problemas de coluna nos adultos.

Essas orientações dão dadas pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia:

  • O tamanho da mochila não pode ultrapassar 5 cm abaixo da cintura;
  • Coloque somente o necessário para a aula do dia;
  • Coloque os materiais mais pesados perto das costas e os mais leves na parte mais externa da mochila;
  • Iguale o peso em ambos os lados, então, nada de levar aquele litro de água em um dos bolsos laterais;
  • Se puder, opte por uma mochila com carrinho, onde o puxador deixe o braço com movimento natural, na altura do quadril;
  • Compre mochilas com duas alças e não a de trespassar, pois essa força apenas um lado do corpo;
  • Escolha a que tenha alças largas e acolchoadas, para reduzir o desconforto;
  • Os cintos também ajudam a reduzir o impacto da mochila sobre a coluna;

Veja mais dicas dadas pelo Ministério da Saúde em sua conta no Instagram, de como escolher uma mochila adequada para o uso diário. Preste atenção às dicas e siga a risca as recomendações, lembrando de colocar somente 10% do peso de quem vai utilizar, dentro da mochila.

Dessa forma, evita-se problemas, não somente no presente, como dores e cansaço, mas principalmente quando estiver adulto.