Resguardo quebrado: Mitos e verdades sobre esse período

0
6643
exercícios no resguardo quebrado
Crédito: Pexels

O resguardo quebrado se configura como um dos maiores problemas da recuperação da mulher no pós-parto. Isso acontece quando as mães não seguem a recomendação médica e têm relações sexuais durante esse período. Quando isso acontece, podem ocorrer infecções tanto nas mulheres quanto nos homens.

Independente se o parto foi normal ou cesárea, é importante manter o resguardo. O corpo da mulher passa por diversas mudanças e impactos ao longo da gestação. Ele precisa, portanto, de tempo para se recuperar da gravidez e do parto. E durante essa recuperação a mulher está muito fragilizada.

De forma mais específica, os órgãos genitais femininos não estão em seu estado normal. Durante o resguardo existe um fluxo vaginal bastante específico. No início é vermelho vivo, semelhante à menstruação; após se torna marrom, feito uma borra de café, até se tornar incolor. O nome desse fluxo é lóquio, e ele altera o pH vaginal.

O resguardo quebrado propicia o surgimento de infecções vaginais e intrauterinas na mulher. No homem, provoca infecção protástica. Outro problema é que, tendo o parto sido normal, a penetração fará a mulher sentir dor, pois irá machucá-la. Se o parto foi cesárea, além de provocar infecção, pode causar machucados na incisão abdominal.

Sintomas do resguardo quebrado

sintomas do resguardo quebrado
Crédito: Freepik

Existem alguns sintomas do resguardo quebrado, que são fáceis de serem identificados. Eles normalmente estão relacionados às infecções decorrentes das relações sexuais mantidas nesse período. Tanto você quanto seu parceiro devem estar atentos para que os problemas não evoluam e fiquem mais graves.

A recuperação durante o resguardo é única para cada mulher. Algumas se recuperam fisicamente mais rápido, enquanto outras demoram um pouco mais para voltarem ao normal. Independente disso, se houver resguardo quebrado, as chances de haver dor durante as relações sexuais é maior.

As paredes vaginais estão em processo de cicatrização, portanto, mesmo que haja lubrificação, não será suficiente para evitar machucados. Nesse ponto, um dos primeiros sintomas é a dor.

Após a dor é muito comum haver o surgimento de infecções genitais

As secreções vaginais após o parto são normais. É preciso, no entanto, prestar atenção ao cheiro desses fluídos. Se forem muito fortes e ruins ou apresentarem muito sangue depois de um tempo, é sintoma de infecção. Nesse sentido é importante procurar imediatamente um médico. Quanto mais infecção houver, maior será a incidência de dor.

O que fazer?

A recomendação é não haver quebra de resguardo. São 40 dias de repouso. Isso não significa que a mulher deva ficar deitada em uma cama durante todo o período, sem se mexer. Existem atividades permitidas e outras proibidas no resguardo, mas o sexo é algo que realmente não deve ocorrer.

Caso as mulheres optem por manter relações sexuais, precisam compreender que estão assumindo riscos sérios. Caso tenham algum dos sintomas acima, principalmente os de infecção, entre em contato com seu médico para que se encontre uma solução.

Mitos e verdades sobre a quebra do resguardo

mitos e verdades sobre o resguardo quebrado
Crédito: Pexels

É importante salientar que não é apenas a relação sexual que quebra o resguardo. Existem, portanto, diversos mitos sobre esse assunto. Apesar de o resguardo quebrado ser um tema importante, pouco se fala sobre ele, o que gera muitas dúvidas nas mães. Esses mitos precisam ser desfeitos, pois podem interferir diretamente na saúde das mulheres.

É impossível engravidar durante o pós-parto ou durante a amamentação

Esse é um grande mito. Com certeza a possibilidade de as mulheres engravidarem nesses períodos é menor, mas existe. Sabe-se que o período fértil da mulher volta apenas 45 dias depois do parto. Logo após esse tempo, então, que é mais ou menos o tempo do resguardo, é possível haver outra gestação.

É proibido a mulher lavar a cabeça durante o resguardo

É mito! Antigamente havia a crença popular de que lavar a cabeça durante o resguardo impedia que o sangue no útero da mãe descesse. Durante muito tempo, inclusive, acreditou-se que mulheres que mantinham a higiene em dia eram loucas.

O cabelo cai em grandes quantidades logo após o parto

Aqui há uma verdade. As alterações hormonais pelas quais passa a mulher faz com que haja queda de cabelo. Além disso, cansaço, estresse e alimentação ruim são fatores que causam esse problema.

O desejo sexual diminui durante o resguardo

Outra verdade. Os hormônios responsáveis pela lubrificação vaginal e pelo desejo sexual diminuem nesse período. Portanto é bastante comum que as mulheres não tenham qualquer desejo sexual logo após o parto. A rotina com o bebê também provoca exaustão, o que diminui a vontade de manter relações sexuais.

A mulher não pode se depilar

Um mito bobo, já que a mulher pode, sim, se depilar. A questão é ter cuidado com os produtos e com a forma como irá realizar a depilação.

Depressão durante o resguardo ocorre apenas com quem já teve depressão

depressão na resguardo quebrado
Crédito: Freepik

Outro mito. Toda mulher, independente de seu histórico, pode sofrer com essa condição. O diagnóstico e o tratamento devem ser realizados o mais rápido possível.

É proibido carregar peso no resguardo

Isso é verdade, uma vez que o corpo da mulher está fragilizado. Esse é um período de repouso.

Não são permitidos exercícios físicos

Por fim, outro mito. Atividades leves, como caminhadas, são altamente recomendadas durante o resguardo. Cuidado apenas com os exageros.