Síndrome dos Ovários Policísticos causa irregularidade menstrual e infertilidade

Saiba o que é e como tratar esse problema que afeta até 10% das mulheres

0
5761

A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é caracterizada por um conjunto de sintomas que atingem até 10% das mulheres em idade reprodutiva. Esse problema é responsável por até 40% dos casos de infertilidade e por 90% das queixas de irregularidade menstrual.

Quais são os sintomas  da Síndrome dos Ovários Policísticos?

  • Infertilidade;
  • Obesidade;
  • Acne;
  • Hipertensão arterial;
  • Obesidade;
  • Escurecimento da pele em regiões como as axilas e virilhas;
  • Irregularidade menstrual.

Por que a Síndrome dos Ovários Policísticos causa esses problemas?

A principal explicação está na resistência que o organismo oferece à insulina e ao aumento dos hormônios masculinos no corpo da mulher.

Como é feito o diagnóstico?

Após analisar os sintomas, o médico vai solicitar exames de dosagem de hormônios e, também, ultrassonografia para detectar o problema.

O exame laboratorial vai verificar os níveis de estrogênio, testosterona, progesterona e S-DHEA, que é produzido pelas glândulas supra-reais. As mulheres que têm síndrome dos ovários policísticos têm todos esses hormônios alterados.

Por que essa síndrome dificulta a gravidez?

Como os hormônios estão alterados, a ovulação é prejudicada. Algumas mulheres chegam a ter quadros de anovoluação, ou seja, a mulher não ovula.

Dependendo da severidade da síndrome, algumas mulheres poderão se tornar inférteis.

A infertilidade, infelizmente, é um dos mais graves sintomas da SOP

Como tratar a SOP?

O médico vai conduzir o tratamento conforme a gravidade dos sintomas. É preciso controlar os níveis de glicemia e normalizar o ciclo menstrual.

Quando a paciente deseja engravidar, poderão ser usados medicamentos que induzem a ovulação. Há casos, contudo, que só são resolvidos com a fertilização in vitro.

O que mais pode acontecer se não tratar o problema?

  • Câncer de mama;
  • Câncer de ovário;
  • Diabetes;
  • Doenças coronarianas;
  • Hipertensão.

Gostou dessa dica? Então compartilhe!