Saiba o que é o VSR e como evitar o contágio

Vírus Sincicial Respiratório atinge crianças e adultos

0
8510

O VSR (Vírus Sincicial Respiratório) pode atingir crianças e adultos. É caracterizado por tosse, secreção nasal e estado febril.

Esse vírus é a causa da maioria dos casos de bronquiolite nos pacientes com menos de 2 anos de idade. Nesse caso, pode causar falta de ar, chiado no peito e levar à internação.

As complicações ocasionadas pelas infecções do VSR são responsáveis por 66,7% das internações de prematuros. Esse dado é do Brevi (Brasilian Respiratory Virus Study) após o acompanhamento de 303 recém-nascidos de até 35 semanas de gestação nas cidades de Ribeirão Preto (SP), Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR).

As crianças foram monitoradas no primeiro ano de vida e apresentaram infecções por oito vírus associados a infecções respiratórias graves.

O VSR foi considerado o mais severo, seguido do rinovírus, bocavírus e metapneumonvírus

Quais são os grupos de maior risco?

1. Prematuros;

2. Pacientes de doenças pulmonares graves;

3. Pacientes de problemas cardíacos;

4. Crianças com imunodeficiência. 

As infecções por VSR estão relacionadas a 33,8 milhões dos casos de problemas respiratórios que atingem brônquios, traqueia e pulmões. Esse é o dado relacionado a crianças menores de 5 anos.

Entre os casos, 3,4 milhões resultaram em internações e, desses, até 200 mil óbitos. O registro da maioria das mortes, 99%, ocorreu em países desenvolvidos.

 Por que o risco é maior?

A infecção toma conta do organismo porque pacientes nas condições citadas têm baixa capacidade de respiração. Com os pulmões e brônquios inflamados, a passagem de ar fica ainda mais dificultada e, por isso, ocorrem os chiados, que representam o esforço para respirar.

Se a doença não for tratada a tempo, o paciente pode morrer de insuficiência respiratória.

Como é o tratamento?

O tratamento é feito com um fármaco que tem palivizumabe na composição. Essa substância atua como anticorpo e pode neutralizar a ação do vírus.

O medicamento está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde) e deve ser aplicado com indicação médica. Em geral, a aplicação ocorre entre março e setembro, quando a incidência é maior.

Como ocorre o contágio?

O vírus fica concentrado em secreções das pessoas contaminadas e pode ser expelido em espirro e tosse.

Ele também pode sobreviver até 6 horas fora do corpo.

Como prevenir?

1. Fortalecer o sistema imunológico com amamentação;

2. Evitar aglomerações;

3. Evitar o contato com pessoas que estão com doenças respiratórias;

4. Evitar lugares com fumaça.

Relacionado: Evite dar esses 10 medicamentos para as crianças

Atenção: procure um médico ao aparecer qualquer sintoma. O médico será capaz de fazer o diagnóstico e indicar o tratamento mais adequado.

Fonte: Revista Crescer