Quem é mais importante para a criança: o pai ou a mãe?

Estudos comprovam que o pai pode ter mais influência sobre os filhos do que a mãe

0
6134

Todos nós sabemos que o amor de um pai e de uma mãe é fundamental para o crescimento de uma criança. Não importa em que classe social nascemos ou que cor de pele possuímos, todos somos iguais quando se trata de onde viemos: de uma pai e de uma mãe.

A grande questão da criação dos filhos é que, quando um crescimento não está indo muito bem, a culpa geralmente cai sobre os ombros da mãe. Alguns afirmam que a mulher provavelmente não é uma boa mãe, porque não tem tempo suficiente para o seu filho ou por estar tomando decisões erradas.

Mas a partir de agora isso provavelmente irá mudar. Um novo estudo garante que a figura do pai pode ter uma influência maior sobre as crianças, do que a mãe.

Isso não significa que a mãe possui menor importância perante elas, mas, segundo os estudos, as atitudes do pai geralmente atingem mais os filhos.

O principal ponto avaliado pelas pesquisas, realizadas com 10 mil participantes infantis, é a sensação de ansiedade e insegurança que acometem muitas crianças que não têm a presença do pai ou se sentem rejeitadas por ele. Essas crianças desenvolvem uma propensão maior à hostilidade e agressividade.

Relacionado: Conheça a importância da relação pai-bebê!

De acordo com os estudos, é extremamente importante que os homens aprendam a demonstrar afeto e isso pode prejudicar a relação com os filhos. A aceitação, a valorização e o sentimento de amor vindos de um pai podem significar uma boa criação para uma criança.

Dica para as mães:

Da próxima vez que seus filhos forem chamados na escola por mau comportamento, conversem com seus maridos, pois eles tem uma boa parcela de culpa nisso também.

É importante sabermos que a maioria dos problemas podem ser resolvidos com amor. Não existe forma mais gostosa que essa para aprender os caminhos certos da vida, não é mesmo?

O que você pensa sobre esse assunto? Deixe-nos sua opinião através dos comentários e lembre-se de compartilhar esse artigo para que mais papais tenham esse conhecimento.

Fonte: University of Connecticut