Mulher permite nascimento de filha com anencefalia para doar os órgãos

Eva sobreviveu algumas horas e, segundo a mãe "foi perfeita à sua maneira"

0
240

A norte-americana Keri Young tomou uma decisão de extremo altruísmo quando decidiu não interromper a gravidez, mesmo sabendo que seu bebê nasceria com anencefalia e viveria poucas horas.

Keri Young e o marido Royce Young vivem em Oklahoma, e souberam do diagnóstico do bebê na 19ª semana de gestação. Segundo o jovem, Keri decidiu prosseguir com a gravidez para poder doar os órgãos da filha e salvar a vida de outros bebês.

O nascimento da pequena Eva foi celebrado no dia 17 de abril e a data foi registrada pelo casal. “Nós dissemos olá e adeus à nossa doce Eva Grace ontem”, disseram no Instagram.

Keri disse que Eva era “perfeita à maneira dela”. A mãe relata que a gravidez foi difícil pela certeza de que o nascimento seria seguido de um funeral e era complicado sentir os movimentos da filha no ventre.

A força da mulher foi ressaltada pelo marido, que não escondeu a admiração pela coragem

Ele destacou que ela parecia uma mulher com superpoderes e que no pior momento da vida, decidiu pensar no outro. Para Royce, essa foi a coisa mais forte e corajosa que ele presenciou.

Relacionado: Filhos, uma fraqueza que nos faz fortes